Conheça os tipos de guarda dos filhos


 Uma das causas de conflito na separação de casais é a decisão de quem irá ficar com os filhos. Mesmo que a maioria acredite que os filhos sempre ficarão sob-responsabilidade integral da mãe, a Justiça vem mudando, pensando no melhor para a criança e seu desenvolvimento.

Assim como é importante para o crescimento da criança e adolescente ter a presença da mãe, é crucial a convivência paterna.

O QUE É GUARDA JUDICIAL?

A guarda conforme a Constituição Federal no art. 226, §5º é um dos atributos do poder de família, sendo um conjunto de obrigações, direitos e deveres que os pais exercem em conjunto ou separadamente em relação aos filhos.

A finalidade é proteger enquanto existir a menoridade; proporcionar pleno desenvolvimento saudável e formação integral dos filhos, física, educacional, emocional, moral, social e espiritual como dispõe o ECA no art.33.

Ao guardião, cabe também representar a criança e/ou adolescente em juízo e fora dele até os dezesseis anos em atos da vida civil e assisti-los decidindo o que podem ou não fazer, como autorização de viagens, mudança de município, entre outras decisões, até a maioridade.

COMO É DECIDIDO O TIPO DE GUARDA?

É com base no relacionamento posterior ao rompimento do casamento, pois os pais devem ter em mente que este laço jamais será extinto e deverão priorizar o bem-estar dos filhos esquecendo as desavenças que levaram a separação.

Com boa convivência e relacionamento amigável, poderão optar pela guarda compartilhada, alternada ou a nidal (veremos a seguir o conceito e requisitos de cada uma), onde ambos terão mais contato com os filhos.

Caso o relacionamento, mesmo que em prol dos filhos, seja impossível e tenha motivos para, inclusive um dos genitores abrir mão da guarda, é decidido a guarda unilateral.

Esta última os juízes vem evitando, optando por apenas decidir o que realmente é melhor para o infanto-juvenil.

QUAIS SÃO OS TIPOS DE GUARDA DOS FILHOS? 







E você conhecia todos os tipos de guardas? Qual dessas nunca ouviu falar?

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Pages